Hércules Azevedo Desejo Poetizar
Vivo poetizo
Textos
Me calo


Me calo, mas antes vou falar pela última vez.
Em que país o acervo cultural é queimado por pura desfaçatez?
Sem filme, sem vídeo, sem foto, sem texto, sem contexto, apago.
Minhas cordas vocais estão queimadas.
Fiz uma nova partitura e musiquei as minhas chagas.
Dói! A dor me corrói.
Migliaccio desistiu, calou!
Artistas estão sendo interditados, as bestas tomaram de assalto os pincéis.
O céu desbotou! Horror.
Não tenho discurso, o microfone foi Hackeado.
A plateia aceita em silêncio ver o artista sendo levado.
Ele será sepultado e sua arte não encontrarei mais, não tem mercado.
Sensibilidade virou coisa do passado, o santuário será reformado.
Silêncio! O povo segue calado.
Esse é meu último recado.


Silêncio
Fonte: https://2.bp.blogspot.com/-YBr5Z5hJGxI/WJNp_kRP2LI/AAAAAAABQZo/s3biwJzJeVMW9Qupp4XMdcs9XmlbohRbACLcB/s1600/silencio.png, acesso em 05/08/2021.
Hércules Azevedo
Enviado por Hércules Azevedo em 05/08/2021
Alterado em 05/08/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras